CabecalhoSiteFectrans4.png
#gruemenu.grue

Tradutor

ptenfrdees

Petição

LOGO PETICAO PRECARIEDADE 250

Agenda

novembro 2017
D Sb
29 30 31 1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 1 2

Video

Visitantes

Temos 91 visitantes e 0 membros em linha

TransportesPublicosOs utentes foram informados que hoje se registam anomalias na circulação fluvial entre Seixal e Cais do Sodré, repetindo nesta carreira o que se verificou ontem na carreira do Montijo, o que se deve a avarias de navios e á forte imobilização da frota desta empresa.

Num curto espaço de tempo repete-se o que se verificou recentemente na Soflusa, onde houve uma ruptura das condições de oferta aos utentes, situação que decorre devido ao facto de se sentir agora os efeitos de um brutal desinvestimento feito pelo governo do PSD/CDS, na lógica da privatização das empresas públicas de transportes.

O que se passa agora nas empresas fluviais pode, a curto ou médio prazo, replicar-se noutras empresas, em particular no Metropolitano de Lisboa e na CP, onde as condições do material circulante e das infraestruturas vão sofrendo os efeitos negativos do desinvestimento nas empresas públicas, onde o transporte é apenas considerado um direito dos utentes quando os trabalhadores lutam, porque durante todos os restantes dias esse direito é metido na gaveta.

O governo do PS em vez de assumir medidas concretas que respondam aos problemas do presente, tem desenvolvido um discurso de investimentos futuros, que são precisos, mas que nunca terão efeitos práticos antes de quatro a cinco anos.

Portugal precisa de um investimento profundo no material circulante (comboios, navios e autocarros) e nas infraestruturas e o qual deve estar associado a um plano de aumento da produção nacional de modo a que parte significativa desse plano seja injectada na economia do país, mas até lá é preciso que se adoptem medidas para;

  • Garantir que navios e pontões da Transtejo e Soflusa sejam recuperados de modo a que não se repitam as rupturas que temos assistidos;
  • Recuperação do material circulante ferroviário existente de modo a que não se assista às frequentes supressões de circulações nas zonas suburbanas e nas linhas de menor tráfego (Algarve, Alentejo, Oeste);
  • Recuperação dos comboios imobilizados do Metropolitano de Lisboa, cuja taxa de imobilização ronda os 20%, passando a ser frequente os pedidos de desculpas por anomalias na circulação;
  • Recuperação da frota rodoviárias das empresas de transportes urbanos de Lisboa (Carris e STCP) onde se verificam supressões, embora menos detectadas pelos utentes devido à dispersão do serviço;
  • Dotar as empresas dos meios de manutenção e reparação de material circulante, com as condições e meios técnicos e de materiais necessários;
  • Fim dos serviços de atendimento aos utentes e com alargamento desse serviço ao longo de todo o dia;
  • Admissão dos trabalhadores em falta nas áreas operacionais e de manutenção, que eleve os níveis de oferta com qualidade e segurança;
  • Fim da precariedade laboral com a passagem a efectivos de todos os trabalhadores a ocuparem postos de trabalho permanente;
  • Acabar com os constrangimentos impostos às empresas que a pretexto de garantir a transparência, que todos defendemos, tem conduzido à redução da capacidade de respostas das mesmas;

As empresas públicas devem prestar um serviço de elevada qualidade e que obrigue todas as outras a elevarem os seus padrões de qualidade, mas o que acontece é que, ao longo dos anos se tem nivelado todo o serviço de transportes pelos baixos padrões de qualidade das empresas privadas.

A supressão de carreiras e serviços, a irregularidade de horários, a falta de carreiras fora das horas de ponta é a regularidade nas empresas privadas, que o digam os utentes da TST, da SCOTTURB, da VIMECA e das Rodoviárias nas regiões de Lisboa e Porto, situação que se agrava no interior do País, onde a partir da privatização o que se verifica é a ausência de transportes em muitos locais.

Informação por email

10º Aniversário

AlmocoComemorativo

Aplicação Telemóvel

Instale a aplicação FECTRANS para telemóvel. Use um leitor de QR code ou acesse AQUI pelo telemóvel

App

Parentalidade

parentalidade botao

Ponto Seguro

ponto seguro