PT Manifestacao 2 21Jul2017O senhor presidente Alexandre Fonseca afirmou ontem “que o novo acordo coletivo de trabalho, que entrou em vigor já este mês deverá pôr fim a um conflito que dura há mais de um ano. Espera-se que o documento ponha fim a um braço de ferro que dura há mais de um ano e que chegou a motivar uma greve geral em meados do ano passado. Afirmou ainda que os aumentos variam entre 1% e 4%”.

Lemos o artigo e as afirmações do senhor presidente e ficámos a pensar: será distração, será falta de conhecimento, será falta de ética ou esperteza saloia, ou será bem pior que isso?

O conteúdo e as afirmações nele contidas são um arrazoado de omissões e inverdades, senão vejamos:

  1. Os aumentos vão de 0,33% a 4%;
  2. Ficaram sem aumento mais de 2.000 trabalhadores da MEO que estão na situação de pré-reforma e suspensão de contrato;
  3. O que vai ser assinado amanhã é não é um novo acordo, mas sim uma revisão parcial do ACT;
  4. O conflito que dura há bem mais de um ano não foi apenas despoletado por questões salariais, mas sobretudo por haver centenas de trabalhadores sem funções atribuídas, centena e meia de trabalhadores transmitidos para outras empresas, assédio moral para obrigar os trabalhadores a assinar rescisões de contrato, atitudes prepotentes, trabalhadores colocados a efectuar funções muito inferiores às suas, imposição do cartão refeição, retirada de complementos remuneratórios, diminuição unilateral de vários benefícios;
  5. Muitos trabalhadores continuam sem funções atribuídas.

Neste contexto falar em paz social é no mínimo caricato, senão vejamos

  • A MEO/Altice está a esvaziar a empresa de áreas funcionais e de trabalhadores;
  • Acerca da transmissão de estabelecimento estão já em tribunal vários processos e outros estão para dar entrada;
  • Continuam a dar entrada em tribunal processos sobre assédio moral;
  • Continuam a verificar-se patologias clínicas do foro psíquico decorrentes da mobilidade funcional, sem que haja qualquer avaliação de riscos psicossociais;
  • Imposição de procedimentos sobre a frota automóvel Altice Portugal, cujo conteúdo é rejeitado pelos trabalhadores e que advogados consideram ilegal nalguns aspectos;
  • Vários trabalhadores estão a ser contactados por uma empresa exterior, com a cumplicidade da MEO, no sentido aceitarem sair da MEO e passarem para essa empresa com um novo contrato de trabalho. Esta situação é uma tentativa da MEO de continuar encapotadamente com a transmissão de estabelecimento.

Pode o senhor administrador falar em paz social, proximidade interna e estabilidade laboral, porque será apenas para “francês ver”. Na Altice Portugal nada disto se passa e os trabalhadores são considerados instrumentos para maximizar lucros.

Nota de imprensa do SNTCT

Tradução

ptenfrdeitrues

Na Estrada da Luta

Boletim Na Estrada da Luta Numero 02 de Maio de 2019

4º Congresso

IPTRANS

Protocolo

Visitantes

Temos 139 visitantes e 0 membros em linha