#gruemenu.grue

GreveIPNa CP são já visíveis alguns efeitos da greve no sector ferroviário, em defesa da segurança ferroviária e contra a redução da “tripulação” dos comboios, nos termos da nova regulamentação aprovada pelo governo.

Apesar das medidas ilegais que visam substituir trabalhadores em greve, os efeitos da greve começaram-se a fazer sentir, nomeadamente, nos comboios de longo curso, situação que se agravará mais para o final a tarde e que antecipa o que será o dia de amanhã – de supressão da quase totalidade da circulação ferroviária em Portugal – quer nos comboios de passageiros quer nos de mercadorias.

Já se registou uma situação de um comboio (Com origem no Porto e destino para Faro) que está a circular sem o acompanhamento do trabalhador de revisão, que foi substituído por um de outra categoria profissional, numa clara ilegalidade cometida por quem deu a ordem e que coloca assim, também, o trabalhador numa situação de ilegalidade.

Apesar de todo o esforço que tem estado a ser feito na CP para que sejam implementadas medidas ilegais, com o objectivo de minorar os efeitos da forte adesão que se espera na greve de amanhã, pelos dados recolhidos está a registar-se uma forte resistência dos trabalhadores, que saudamos e que demonstram que os ferroviários se unem em defesa de uma reivindicação que é transversal no sector.

A greve ocorre porque o Governo põe à frente da segurança ferroviária os interesses dos operadores e pretende que, no futuro, estes possam decidir realizar comboios apenas com um trabalhador.

Em Novembro passado o Governo assumiu fazer uma discussão sobre esta matéria, mas esgotou o prazo estabelecido sem que tenha havido evolução traduzida no conteúdo da regulamentação de segurança a vigorar em Portugal, a determinar ser obrigatório a circulação de comboios com dois trabalhadores – Maquinista, mais Operador de Revisão nos passageiros, ou Operador de Apoio nas mercadorias.

Se o Governo pretende resolver efectivamente este problema, tem que reabrir a discussão no sentido de se avançar para a concretização é esse o caminho que se espera e não apenas declarações para a opinião pública.

As organizações sindicais estão a organizar piquetes de greve nas principais estações e centros de trabalho e nesse sentido, assinalarão o “início” da greve a partir das 22 horas, na estação do Rossio, que a contará mais tarde com a presença de Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP-IN.

Tradutor

enfrdeitptrues

IPTRANS

Protocolo

Visitantes

Temos 86 visitantes e 0 membros em linha

Informação email

Agenda

No mês passado junho 2018 Próximo mês
D Sb
week 22 1 2
week 23 3 4 5 6 7 8 9
week 24 10 11 12 13 14 15 16
week 25 17 18 19 20 21 22 23
week 26 24 25 26 27 28 29 30

Guia da parentalidade

Ponto Seguro