Cabecalho Sindicaliza Te 2020


 

CGTPno MAACUma delegação da CGTP-IN composta por Isabel Camarinha – Secretária Geral; José Manuel Oliveira membro da Comissão Executiva da central sindical e coordenador da FECTRANS e Luís Venâncio membro da direcção da Federação e do STRUP, reuniu hoje com o Ministro do Ambiente para discutir os problemas do sector privado rodoviário de passageiros.

Na reunião, que contou também com a presença do Secretário do Estado da Mobilidade a CGTP-IN, referente aos temas centrais da discussão, defendeu;

  • Que é necessário a reposição de toda a oferta de transporte que existia antes da pandemia e em todo o País (que já era insuficiente), com o fim da situação de “lay-off” com a reposição de todos os seus direitos laborais; dos trabalhadores;
  • Que nos processos de concurso de concessão que estão a decorrermou os nos futuros, tem que ser aplicado o previsto na legislação referente à transmissão de estabelecimento, ou seja, que no caso de mudança de operador, os actuais trabalhadores sejam, transmitidos para o novo operador com todos os direitos laborais e sociais (salário, antiguidade, todas as remunerações, e salvaguarda do local de trabalho, e etc) em respeito pela contratação colectiva aplicada;

Relativamente à reposição da oferta de transportes, da parte da CGTP-IN foi argumentada que o Estado português tem que exigir dos operadores rodoviários, que seja prestado o serviço público a que estão obrigados tendo em conta que continuam a receber as comparticipações na base daquilo que antes recebiam.

Acresce que, numa altura que estão a ser retomadas as diversas actividades escolares e laborais e tendo em conta as medidas que são impostas de distanciamento físico e sendo o transporte rodoviário essencial na mobilidade das populações, é inaceitável que continue a haver redução de oferta, o que significará mais autocarros sobrelotados.

Por outro lado, não pode haver um discurso de combate à desertificação do interior permitindo que os operadores rodoviários que aí operam continuem sem retomar a oferta.

Da parte do Ministério foi assumido o compromisso que, tendo em conta que são os Municípios as autoridades de transporte, irá fazer uma comunicação à AMT - Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, regulador do sector, no sentido de intervir com vista ao aumento da oferta, de fiscalização do sector e de garantia que as populações terão os transportes necessários a operar em condições de segurança de utentes e trabalhadores.

Quanto aos concursos em curso e à necessidade de garantir os postos de trabalho e os direitos laborais e sociais dos trabalhadores dos actuais operadores, não houve contestação ao parecer do gabinete jurídico da CGTP-IN que, defende que os novos operadores têm que assumir todos os encargos referente aos trabalhadores dos operadores que cessam a actividade, conforme é determinado pelo Código do Trabalho, comprometendo-se a enviar o mesmo para a AMT  para ser analisado e passar a ser uma interpretação para todo o sector, para os actuais e futuros concursos e que mais não é que o cumprimento da actual legislação.

Entendemos que embora consideremos positivos os resultados da reunião, é cada vez mais necessário que os trabalhadores se mobilizem e lutem pela defesa dos seus direitos e pela melhoria das suas condições de trabalho.

Tradutor

Agenda

setembro 2020
D Sb
30 31 1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 1 2 3
29 Set. 2020
03:00PM -
Reunião de Trabalhadores TVDE

Informação por email

50º Aniversário

CARTAZ FINAL PRINT JPG

Sindicaliza-te

LOGOTIPO SINDICALIZACAO

Videos

IPTRANS

logo iptOferta Formativa

Veja aqui ------>>>>>>

Visitantes

Temos 457 visitantes e 0 membros em linha

Estatistica

Visualizações de artigos
1239587
Hoje
Ontem
Semana
1955
3745
88839



 Av. Álvares Cabral 19, 1250-015 Lisboa - Telef: 21 845 3466 * E-mail: fectrans@fectrans.pt

Direitos de autor © 2020 FECTRANS - Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações. Todos os direitos reservados.
Joomla! é um software livre produzido sob a licença GNU GPL.