Cabecalho Sindicaliza Te 2020


 

ConcentracaoBarraqueiroO STRUP/FECTRANS (Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos de Portugal) já contestou, junto da ACT, da ANTROP e da AMT o anúncio feito pela BT - Barraqueiro Transportes, a intenção de accionar o mecanismo de “lay-off” previsto no Código do Trabalho, pelo período de 9 (nove) meses a partir de 1 de Agosto e abrangendo 770 trabalhadores.

O anúncio feito pela Barraqueiro Transportes é contestado pelo STRUP, porque a mesma encontra-se actualmente em regime de “lay-off” simplificado que só termina no final do mês de Julho, não podendo antes disso accionar o mecanismo que está previsto no Código de Trabalho.

A Barraqueiro Transportes, que engloba as marcas Barraqueiro Transportes; Barraqueiro Alugueres; Boa Viagem; Esevel; Estremadura; Frota Azul e Mafrense, distribuiu uma comunicação aos trabalhadores, dando a conhecer a sua intenção de colocar 170 trabalhadores com suspensão de contracto e 600 com redução de horário, o que lhes permite manter a situação de redução de salários e passar a maior parte dos encargos com pessoal para a Segurança Social.

Estas marcas fazem parte do universo Barraqueiro, grupo em que o maior accionista é Humberto Pedrosa, que pelos vistos tem capacidade de negociar milhões no transporte aéreo e com a Arriva, grupo multinacional alemão, como accionista minoritário.

Ao longo de anos estes privados acumularam lucros e impuseram sempre a política de salários baixos e jornadas de trabalho de 10, 12 ou mais horas. Ao primeiro sinal de crise, entenda-se a situação pandémica em que vivemos, alegaram prejuízos e recorreram às medidas definidas pelo Estado que impõe o salário mínimo aos trabalhadores, ao mesmo tempo que garante milhões ao patronato do sector.

O Estado continua a pagar a estas empresas mas sem capacidade de as obrigar a retoma a sua actividade normal que garanta transporte em quantidade e com as regras impostas pela DGS para protecção de trabalhadores e utentes e por isso elas continuam imobilizadas, à espera de mais dinheiro-

São necessárias medidas para que haja uma forte intervenção do Estado neste sector, com a criação de uma empresa como já existiu até 1992 (a RN - Rodoviária Nacional), que foi vendida ao desbarato, dividida por diversas empresas, que hoje se concentram, no essencial, nos mesmos grupos que estão a ser suportados pelo Estado - Barraqueiro/Arriva (Luso-Alemão); Transdev (Francês); Arrriva (Alemão) e grupo Jacob Barata (Brasileiro).

Tradutor

Agenda

agosto 2020
D Sb
26 27 28 29 30 31 1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31 1 2 3 4 5

Informação por email

Sindicaliza-te

LOGOTIPO SINDICALIZACAO

Videos

IPTRANS

logo iptOferta Formativa

Veja aqui ------>>>>>>

Visitantes

Temos 64 visitantes e 0 membros em linha

Hoje
Ontem
Semana
1018
2253
30445

Estatistica

Visualizações de artigos
1183548



 Av. Álvares Cabral 19, 1250-015 Lisboa - Telef: 21 845 3466 * E-mail: fectrans@fectrans.pt

Direitos de autor © 2020 FECTRANS - Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações. Todos os direitos reservados.
Joomla! é um software livre produzido sob a licença GNU GPL.