Cabecalho18Nov2017

#gruemenu.grue

Tradutor

ptenfrdees

Petição

LOGO PETICAO PRECARIEDADE 250

Agenda

novembro 2017
D Sb
29 30 31 1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 1 2
Sáb. Nov. 18, 2017 @15:00 -
Manifestação Nacional
Qua. Nov. 22, 2017 @10:45 -
Plenário Nacional de Trabalhadores da EMEF
Sáb. Nov. 25, 2017 @12:30 -
Almoço Comemorativo dos 10 anos da FECTRANS

Video

Visitantes

Temos 50 visitantes e 0 membros em linha

GreveAPAsDez2016Os trabalhadores do Handling (SPdH/Groudforce e Portway/Vinci) dos aeroportos irão estar em greve nos dias 28, 29 e 30 de Dezembro e os APAs – Assistentes de Portos e Aeroportos (Securitas e Prossegur) nos dias 27, 28 e 29 e, promovidas peloo Sindicato da CGTP-IN no sector, o Sitava, que emitiu o seguinte esclarecimento:

Perante as greves anunciadas para a próxima semana nos aeroportos nacionais, e face aos apelos públicos, dirigidos ao SITAVA e aos trabalhadores, cumpre-nos informar que:

Lamentamos os transtornos que serão causados aos passageiros nestes três dias, mas compreendam os transtornos que a actual situação provoca todos os dias aos trabalhadores, e tenham em conta que lutamos essencialmente pela defesa dos nossos postos de trabalho e das nossas empresas.

E não esqueçam que, no limite, se nada for feito para travar o processo liberalizador, estará em causa o serviço prestado aos 40 milhões de passageiros e a sua segurança.

Sobre os receios de “prejuízos grandes” e do eventual “extravaso para o que está em causa ” que a Confederação do Turismo Português (CTP) veio invocar, recordamos que o maior prejuízo para os trabalhadores é o risco de ficarem sem o seu posto de trabalho (no caso da Groundforce), de manterem uma situação de precariedade e exploração eterna (no caso da Prosegur e Securitas), serem vítimas diariamente de assédio moral e de alterações unilaterais e ilegais nas regras de trabalho (no caso da Portway) ou de permanecerem eternamente mergulhados na precariedade e nos baixos salários (no caso das prestadoras de serviços, da Groundlink e da Ryanair). Esse é o maior prejuízo e não há para os trabalhadores maior “extravaso” que esse!

É público o crescimento do Turismo nos últimos anos em Portugal com sucessivos records a serem batidos, assinalando um crescimento sustentável e com perspectivas de reforço. Em 2015, os estabelecimentos hoteleiros registaram 16,3 milhões de hóspedes (mais 8,6% que em 2014) e 46,5 milhões de dormidas (mais 7,0% que em 2014), sendo que o saldo da rubrica Viagens e Turismo da Balança de Pagamentos atingiu 7,8 mil milhões de euros, espelhando um crescimento de 9,5%. Em relação a 2016, os últimos dados divulgados pelo INE comprovam o bom momento que o sector atravessa, registando nos primeiros sete meses do ano 10,6 milhões de hóspedes e 29,9 milhões de dormidas, equivalendo a crescimentos homólogos de 10,7% e 10,2%, respectivamente.

Ainda bem! Mas esse crescimento em nada se reflectiu na vida destes trabalhadores, antes pelo contrário! E não podemos aceitar que Portugal se transforme, tal como muitos paraísos turísticos, num país de terceiro-mundo com milhões de turistas, mas em que os trabalhadores que os servem vivem e trabalham em condições miseráveis.

O SITAVA adopta em todos os processos em que participa uma postura propositiva de resolução dos problemas, procurando o diálogo em todas as circunstâncias.

O que, nem o SITAVA, nem os trabalhadores podem aceitar é que:

a SPdH/Groundforce esteja num risco iminente de desaparecer no curto prazo, destruindo 3000 postos de trabalho

a Prosegur e a Securitas perpetuem uma situação de precariedade eterna aos trabalhadores responsáveis pela segurança dos passageiros, em muitos casos em condições terceiro-mundistas

a Portway imponha regras laborais ilegais e assedie moralmente os seus trabalhadores diariamente

a ANAC e o Governo sejam cúmplices com a desregulamentação, a precariedade e as sucessivas ilegalidades.

Não cabe aos 40 milhões de passageiros que passam pelos aeroportos nacionais preocuparem-se com as condições dos trabalhadores que os servem diariamente da melhor forma possível. Não o esperamos também da parte das Confederações Patronais. Compete-nos a nós fazer a defesa dos trabalhadores, o que neste caso concreto, significa também a defesa do serviço prestado nos aeroportos.

Não está nas mãos do SITAVA evitar que as greves se realizem. Esse ónus está no lado das multinacionais (Vinci, Prosegur e Securitas) no caso dos APA's, está nas mãos do Sr. Humberto Pedrosa (no caso da SPdH/Groundforce) e nas mãos da Vinci (no caso da Portway). E está nas mãos do Governo, que pode fazer bem mais do que promover reuniões e espalhar promessas.

São essas as entidades que são responsáveis pelas greves, ao quererem generalizar a precariedade e a exploração nos aeroportos. Nós vamos ser obrigados a realizá-las, e a intensificar a luta.

 

 

 

 

 

.

......................................................................

Informação por email

10º Aniversário

AlmocoComemorativo

Aplicação Telemóvel

Instale a aplicação FECTRANS para telemóvel. Use um leitor de QR code ou acesse AQUI pelo telemóvel

App

Parentalidade

parentalidade botao

Ponto Seguro

ponto seguro